Conheça o termo Limpeza Verde 3.0

Você já ouviu falar do movimento Limpeza Verde 3.0? Esse movimento, que já passou pelas fases 1.0 e 2.0, tem o propósito de priorizar o uso de produtos e serviços que tenham um impacto menor na saúde das pessoas e no meio ambiente, em comparação com os itens tradicionais da concorrência.

Os princípios fundamentais da limpeza verde são a saúde humana, a natureza comparativa e a performance. O objetivo do movimento é levar em consideração os impactos que a limpeza causa sobre a saúde das pessoas que vivem naquele ambiente e sobre quem realiza a atividade. É necessário um cuidado ainda maior com relação à limpeza e a qualidade dos produtos utilizados, nos locais onde vivem grupos vulneráveis, como idosos, crianças e pessoas que possuem o sistema imunológico fragilizado.

Podemos dizer também que a limpeza verde possui natureza comparativa pois não existe um padrão absoluto do que é “ambientalmente perfeito”. Por isso, existe um incentivo contínuo em busca da melhoria dos produtos. Com relação ao princípio da performance, ele está relacionado ao desempenho. Criar um produto que não cumpre com a sua função principal, que nesse caso é a limpeza, é um desperdício de recursos e deve se evitado.

Neste artigo, vamos explorar ainda mais o termo Limpeza Verde 3.0 e ainda mostrar a importância do movimento e os seus desafios no mundo atual. Continue lendo e confira!

O movimento Limpeza Verde 3.0

Limpeza Verde 1.0

Antes de explicar o que é Limpeza Verde 3.0, precisamos entender em qual contexto esse movimento foi criado. Por volta de 1990, o presidente dos EUA da época, Bill Clinton, assinou uma ordem executiva determinando que todos os escritórios e instalações federais teriam que utilizar utensílios e suprimentos de limpeza que sejam ecologicamente corretos em todas as situações possíveis.

Como o Governo Federal era um comprador de peso para o mercado de produtos de limpeza, os fabricantes da indústria foram incentivados a desenvolverem opções que fossem ecologicamente corretas. Esse momento ficou conhecido como Limpeza Verde 1.0 ou Green Washing 1.0.

Limpeza Verde 2.0

O movimento Limpeza Verde 2.0 ou Green Washing 2.0 teve início por volta dos anos 2000. Nesse momento, o setor das indústrias privadas também passou a investir em produtos de limpeza ecologicamente corretos. Essa mudança aconteceu porque muitas empresas queriam a certificação de Liderança em Energia e Design Ambiental (Leed) criada pelo Conselho de Edifícios Sustentáveis dos EUA. Um dos pré-requisitos da certificação era que os edifícios deveriam ter uma estratégia de limpeza ecológica.

Além disso, mais empresas e instituições dos mais variados setores passaram a usar a limpeza verde. Entre eles estão escolas, centros de saúde, prédios comerciais e hotéis. Com isso, o mercado de limpeza ecológica passou a crescer em larga escala.

Limpeza Verde 3.0

Por fim, chegamos ao momento da Limpeza Verde 3.0 ou Green Washing 3.0. De alguns anos para cá, produtos de limpeza ecologicamente corretos já se tornaram uma realidade no mercado. Inclusive, diversas indústrias só escolhem itens convencionais em situações muito específicas. Por exemplo, caso não encontram uma versão sustentável que seja similar ou nos casos em que pela comparação entre preço e desempenho, o produto convencional leva vantagem.

Os benefícios desse movimento

Entre os objetivos da limpeza estão gerar um ambiente agradável e seguro para as pessoas. Os produtos utilizados devem contribuir para o alcance desse resultado. Porém, muitos produtos de limpeza convencionais contém substâncias tóxicas que podem acarretar problemas de saúde nas pessoas que compartilham aquele ambiente e também nos profissionais que manusearam os itens.

Utilizar métodos mais sustentáveis reduz o consumo de água e o uso de agentes químicos que são tóxicos para o meio ambiente. Para serem classificados na categoria de limpeza verde os produtos são feitos a partir de matérias-primas extraídas da natureza, além de serem biodegradáveis e orgânicos. Além disso, o produto não libera resíduos tóxicos durante o processo de produção ou durante o uso.

A água e os animais marinhos também sofrem as consequências do uso dos produtos de limpeza convencionais. Após a aplicação, as substâncias tóxicas vão ralo abaixo, atingem os esgotos e contaminam a água do mar. Dessa forma, o impacto ambiental prejudica os peixes, as plantas e, em consequência, os seres humanos também.

Os benefícios para o bem-estar das pessoas e para o ambiente já seriam o suficiente para a escolha de produtos de limpeza ecológicos, porém, eles também reduzem os gastos da sua empresa. Os produtos orgânicos e biodegradáveis precisam de menos água para a diluição. E a escolha de produtos concentrados reduz o impacto no meio ambiente porque utiliza menos recursos e, devido à redução da embalagem, o custo de transporte e de emissão de gases poluentes são menores. Além disso, eles são mais baratos do que as versões tradicionais.

Os desafios da Limpeza Verde 3.0

Apesar da sua evolução nos últimos anos, o movimento enfrenta grandes desafios. Entre eles, podemos destacar:

  • a necessidade de atualizações constantes;
  • a redução de desperdícios, com foco na reciclagem e no uso mínimo de recursos naturais;
  • a criação de mais produtos multifuncionais para eliminar produtos similares;
  • a adoção de produtos para diluição em água para reduzir gastos com energia;
  • a priorização de produtos concentrados e vendidos em embalagens maiores e;
  • a procura por equipamentos e processos que não necessitam de produtos químicos para a limpeza.

A Limpeza Verde 3.0 é um reflexo do aumento da preocupação com a segurança dos produtos de limpeza para a saúde das pessoas e do meio ambiente. Com isso, as indústrias começaram a se adaptar a essa nova demanda, alterando os seus processos e os seus produtos. O mercado está cada vez mais receptivo aos produtos ecologicamente corretos, pois sabem que eles possuem um ótimo desempenho.

A Use Louro está há mais de 20 anos no mercado aliando qualidade e consciência ambiental. Somos uma das primeiras empresas do setor a conquistarem o selo Carbono Zero, na qual as empresas se responsabilizam em compensar toda a emissão de gás carbônico das suas atividades industriais por meio do reflorestamento. Saiba mais sobre a nossa história!

 

 

 

 

Deixe um comentário:

Newsletter

Receba todas nossas novidades